Postado por : Monik Ornellas

Recentemente aderi a uma comunidade feminina, então resolvi escrever alguns temas com foco em relacionamentos. E outro dia estava assistindo uma discussão acirrada entre duas meninas e um rapaz sobre o polêmico "Quem paga a conta?" num primeiro encontro.

É interessante porque todos pensamos viver numa sociedade "moderna" que está na era da informação, onde exatamente por isso somos mais "exclarecidos". Mas alguns valores ainda são os mesmos. E ao contrário de alguns, não vejo isso como algo negativo. Nossos valores modernos estão muito esdruxulos, sem personalidade e cada vez mais sem vínculo humano. Resumindo: estamos nadando numa maré contra nós mesmos.

Algumas coisas são extremamente simples. Pagar a conta não é uma questão de valor, e sim de cortejo. Ponto.

Alguém lembra dessa palavra? "Cortejar" uma mulher? Vou criar uma imagem pra você, lembra do pavão? Ele faz o maior teatro para chamar a atenção da fêmea. Isso é cortejo. Parece antigo, mas isso será sempre atual, porque alguns princípios vem de nossas bases mais antigas.

As mulheres estão mais independentes, e em sua maioria pouco precisam que um homem que lhe pague alguma coisa.

Já escutei: "Eu não sou mulher de dividir conta!", como também já escutei: "não quero que ninguém pague nada para mim". Essas são criaturas totalmente diferentes, mas, mulheres que tem um ponto em comum: sabem o que querem, e o que não querem. E os homens andam meio perdidos nesse contexto.

Vou contar uma história interessante de uma amiga:

Ela se correspondia com um rapaz. Era simpático, bastante inteligente e criativo nas conversas. Marcaram um encontro num restaurante. Foi ótimo, conversaram sobre tudo, a noite fluiu numa boa, e prometia uma diversão. O rapaz pediu a conta e quando o garçon a trouxe, ele lhe falou: deu 74,50. Ela pediu para ver a conta, sacou o cartão, pôs na pastinha e mandou o garçon pagar TODA a conta. O rapaz ficou indignado e lhe perguntou porque ela tinha feito isso, se sua proposta era dividir e escutou: "Não tem problema, se você não pode pagar, eu posso". Eles não só não saíram naquela noite, como ele nunca mais a viu.

Concordo que ela foi meio radical, porém, quando um cara paga a conta ele se coloca na posição de um "gentleman". E mulheres adoram homens "gentleman". Elas se sentem valorizadas por isso. Não que o valor dela esteja no valor da conta, mas sim na atitude do homem. É esse o ponto: atitude.

Quando mulheres saem com amigas, automaticamente elas dividem a conta e se uma não tiver, a outra paga. Dinheiro não é o problema, estar junto é mais importante.

Se um cara está mais preocupado com o valor da conta do que com o encontro, essa com certeza não é uma boa companhia. Da mesma forma que uma mulher tem que estar linda, macia e perfumada, um homem tem que saber bancar uma boa companhia.

O que muitas mulheres dizem ser uma raridade hoje em dia, eu tenho visto o contrário, onde alguns caras não tem problema com essa questão de pagar, é algo natural e faz parte da sua própria personalidade enquanto homem. Encontram prazer em adular suas amadas, e estas, não são do tipo interesseiras ou mesmo abusadas nesse quesito, acho até que por isso mesmo chegaram a esse encontro.

4 Responses so far.

  1. The Voice says:

    Senhora,

    Cavalheirismos em torno de donzelas sempre tiveram um único objetivo: o sexo.

    Não é difícil concluir que as mulheres brasileiras ficaram mal acostumadas com galaenteios desmedidos, querida. Inflacionaram muito o cortejo do primeiro encontro. Ofereciam-se, esfregavam-se na cara dos inocentes úteis, mas muitas vezes não entregaram o que prometeram. Isto deixou a conta de muito mané mais cara, convenhamos.

    Os galantes de hoje trazem na genética e no legado dos seus pais novos códigos de conduta. Enfim, aprendemos.

    Boa parte dos homens é hoje mais alerta. Felizmente estão mais afeitos ao fifty-fifty, uma vez que o mercado de trabalho hoje é favorável as donzelas modernas.

    Merece conta paga e todos os mimos, quem faz do encontro algo concreto e tátil. Quem deixa o affair na promessa, na música, agora divide. :)

  2. Olá The Voice!

    Respeito sua opinião! Mas essa política de "ou dá ou desce" não cola. Versão encantamento zero.

    É muito fácil um cara sair só por sexo hj, e normalmente não precisa pagar conta alguma, td vai do acordo entre ambos.

    Mas esse texto fala de um "investimento", qdo um cara quer fazer frente e tem um real interesse, além do significo real de tal atitude para uma mulher. Se for só sexo, pergunte antes, poupa-se tempo e tb dinheiro.

    Obrigada pelo comentário e volte sempre!

  3. The Voice says:

    Nós não estávamos na mesa? "Ou dá ou desce" é quando se vai de carona e a moeda é a dona borboleta. Outro post, portanto. Falávamos muito menos de experiências pessoais, mas de uma cultura que se perde (ou não), já que as experiências pessoais envolvem outras custos e artimanhas que dispensam certas perguntas. ;)

  4. Silvio Koerich says:

    Teu texto é simplesmente insano e contraditório (pra não dizer injusto e extremamente objetificante).

    Comentei no orkut naquele topico da comunidade sobre o que escreveu.

    Meu deus, conta paga sinal de valorização? 100 reais faz te sentir valorizada?

Licença Creative Commons

Creative Commons License
Bitola Humana by Monik Ornellas is licensed under a Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil License.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://consciencianarealidade.blogspot.com.

Verborragia em ebook, compre já o seu na Amazon.

Verborragia em ebook, compre já o seu na Amazon.
10 frases do dia-a-dia que influenciam sua vida.

Curta!

Mais lidos

Seguidores

Assine o Bitola por E-mail

- Copyright © Bitola Humana -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -