Postado por : Monik Ornellas

O Ministério da Saúde adverte: DRAMA VICIA.

As novelas teriam duração de uma semana, caso não houvessem os dramas como encheção de lingüiça.

- Carlos Roberto! Você não me ama mais?
- Não é bem assim, Lúcia Maria! Amo você, mas também amo Creusa Paula, por favor não me abandone!
-  Oh! Você está me traindo? Vou me matar!

"Oh céus, que saco! Quero voltar pro útero, por onde entro?"
Todos conhecemos bem essas histórias, né não? É interessante que o conteúdo das novelas é baseado em puro drama. De alguns anos para cá, algumas novelas tem até se preocupado em implementar mensagens e conceitos, mas ainda assim eles são permeados pelo drama. E como a humanidade vive imersa em drama diário, rola identificação com esses programas.

Falar de drama, já é um drama. O drama é como um vírus que infecta o modo como pensamos, nosso comportamento e tolhe nossas atitudes. Ele está infiltrado e trabalha como agente duplo em todos os sistemas onde pessoas atuem e atua por meio delas.

Sabe aquela situação, aquele comportamento, aquela pessoa “rami-rami”? Então, isso é drama!

Eu vivo como um cachorro correndo atrás do próprio rabo na busca de desconstruir meus dramas, é o drama da grana, o drama dos relacionamentos, o drama da burocracia diária das coisas e das pessoas e meu próprio drama em ficar fazendo pirraça em relação à isso tudo.

Sabe fila do banco? Pessoas reclamando da vida, dos caixas, da demora, então, DRAMA. Sabe relacionamentos? Ele não me ama, ninguém me quer, os homens são uns safados... DRAMA. Tô com gripe, catapora, resfriado, enxaqueca (enxaqueca então!) é puro DRAMA.

Fonte linkada à imagem
Veja, não é que reclamar seja uma qualificação de drama, é que normalmente estamos todos na confortável posição de vítimas, só reclamando do mundo, apontando as pessoas e xingando os sistemas, mas ninguém faz nada para mudar aquilo e só sabe reclamar. E você reclama e não faz nada, e não faz nada e reclama. É um círculo vicioso dramático.

Observe a quantidade de pessoas que vivem tendo alguma doença, e aquelas que andam com a bolsa entupida de remédios! Então, não é o fato de você estar gripado, mas sim de fazer drama quando está doente. “Oh, como dói! Tudo dói, eu vou morrrerrrr”. Muita gente está sempre doente porque descobriu que dessa forma têm atenção e carinho, Capiti? (Sobre doenças e as histórias que elas nos contam, abordo no "Consciência na Realidade").

Ou somos agentes de mudanças, ou somos dramáticos. Ser agente de mudança é estar ancorado com as SOLUÇÕES e não com as reclamações. E soluções NÃO estão alinhadas com drama. Ou fazemos drama, ou estamos ancorados nas ações das soluções.

Você pode usar a grana daquele emprego que te irrita para bancar cursos e qualificações afim de se encaixar no cargo que deseja, ou pode reclamar dele diariamente no ônibus, no trem, em casa e no elevador. Ou você age, ou você reclama. É claro que você pode também agir reclamando, mas isso tira totalmente o foco da coisa. Na ação você usa os meios, para alcançar os fins.

Eu já fui muito rami-rami-dramática-compulsiva e é mediante essa carteirinha reconhecida pela "Sociedade dos Dramáticos Declarados" (quem faz drama não quer anonimato, caso contrário, não seria drama), que busco diariamente desmontar esse comportamento vicioso. E foi assim que criei um “deadline do drama”, tipo: me dou um determinado tempo (1 hora, 6 horas, no máximo 24horas) para espernear, reclamar, cuspir marimbondos, fazer manha, biquinho ou a vontade esdrúxula que vier. Quando os sinos badalam, abro mão de ser abóbora e começo a assumir minhas responsabilidades e traçar a ação. Tem dado certo até agora!

Se tirarmos o drama implícito em todas coisas, só sobra... simplicidade.

E você? Me conta, percebe seus dramas ou os dramas dos outros? 
Como lida com isso?
Achou esse post muito dramático?

Segue esse clip show de Mary J. Blinge, "NO MORE DRAMA".
Chega de dor, chega de drama.



(Não esqueça de confirmar a solicitação em seu e-mail)

6 Responses so far.

  1. Manoella Oliveira says:

    Eu sou mto dramática dizem por aí. Mto reclamona, dizem por aí tb. Sempre achei que reclamar é uma maneira de não engolir a raiva pq isso faz mto mal aí reclamo para tirar de dentro de mim e em toda reclamação tento dar uma cutucada nas pessoas para elas entenderem que aquilo não é normal nem legal. Tenho tentado melhorar e acho que já melhorei um bocado, mas ainda vejo o ato de reclamar como um desabafo. Não consigo guardar raiva comigo. Não, não me lamento, mas brava eu fico! hehe Vamos com passo de cada vez. Adorei sua proposta de exercício. Vou experimentar. De qq maneira, o passo primeiro, que é focar na solução, está comigo há mto tempo, mas ele ainda vem acompanhado por uma indignação. Beijos!

  2. Andrea says:

    Oi, Manoela! Meu nome Andréa, li seu comentário e gostei muito. Sei que é difícil guardar alguns sentimentos, principalmente a raiva. Acredito no seu movimento de focar na solução, porém, se você foca na "indignação" você infelizmente está no drama ainda. Porque o drama, ao meu ver , acontece quando eu jogo a responsabilidade no outro. Eu reclamo esperando a reação do outro, um movimento diferente do outro. Então... Sei que é começo de um caminhar diferente, e isso é muito bom. Foi um prazer te conhecer,de verdade, estarei de vez em quando por aqui, espero te encontrar de novo. Um abraço.

  3. Manoella says:

    Obrigada pela resposta, Andrea. Sou uma taurina de sangue bem quente, por isso, minha indignação às vezes fala mais alto. Mas tneho focado no meu poder pessoal em vez de dar aos outros o poder de me desestabilizar. Tenho alguns textos sobre isso num blog que mantenho com duas amigas Tato (www.maistato.com.br) na minha coluna Elemento terra (bem touro, né?). Dá uma olhadinha dps. Abraços e obrigada pela reflexão.

  4. Oi Manoella! Obrigada pela visita!
    Oh, admitir que somos dramáticas já é um graaande passo, né não? rs
    Como vc é taurina (e eu me dou muito bem com taurinos por sinal), quanto mais vc focar nas suas realizações e no seu potencial criador, tirando a atenção de quem te aporrinha, mais vc abre portas e viabiliza seus projetos, sejam eles quais forem!
    Ah, como eu queria só uns planetinhas em touro! rs
    Beijão e volte sempre!

  5. Olá, Monik
    Eu sempre tenho enxaqueca, e realmente descobri que ela aparece qdo algo novo vai surgiu ou qdo entro em conflito com alguém, achei ótimo ás colocações aqui..Muito...hje eu li e reli...ótimo...bjos

  6. Olá Sandra, eu quem agradeço a sua presença e seu feedback.

    É uma luz quando percebemos nossos processos e mais ainda quando começamos a desconstruí-los.

    Beijão!

Licença Creative Commons

Creative Commons License
Bitola Humana by Monik Ornellas is licensed under a Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil License.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://consciencianarealidade.blogspot.com.

Verborragia em ebook, compre já o seu na Amazon.

Verborragia em ebook, compre já o seu na Amazon.
10 frases do dia-a-dia que influenciam sua vida.

Curta!

Mais lidos

Seguidores

Assine o Bitola por E-mail

- Copyright © Bitola Humana -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -