Postado por : Monik Ornellas

Eu tomei verdadeiro pavor, aversão, horror a situações toscas com vistas a troca de favores onde há um  interesse explícito ou velado no que outro tenha .



Antes eu achava que era por puro orgulho - também, of course -, mas acontece que comecei a perceber tantos jogos de interesse, que fiquei - segundo minha amiga de Belém - com "abuso" disso.

Conhecer pessoas de forma real é uma experiência muito gratificante, quando estamos abertos a saber o que fazem, porque fazem e trocar idéias e experiências, o que é diferente de conhecer alguém já de olho no que ele/ela podem te prover. Gosto de trocas interessantes, mas detesto interesses escusos. Diga-se por trocas interessantes, qualquer coisa: um olhar, uma palavra, um sorriso, uma papo muito maneiro ou um projeto. Normalmente, quando a coisa é natural, encontramos pontos comuns de ligamento e a partir daí nascem grandes idéias e parcerias.

Mas, o fato que me chama a atenção é  que tenho visto demais essa vibe interesseira  nas ruas e nas relações, seja o guardador de carro que te cobra uma grana pra não fazer nada, o feirante que vende seu produto de acordo com a cara-de-compra do cliente, pessoas deslumbradas com as posses dos outros que colam pra tirar uma casquinha do luxo, entre tantos casos.

É fácil achar um absurdo essas situações, mas as relações de interesse se dão das formas mais simples e muita gente não percebe isso: aquele cara da sua faculdade é um pôia, mas como ele tem dinheiro e normalmente se faz de otário e paga pra todo mundo, tu cola junto pra se dar bem... Uma coisa é você estar sem grana e seu amigo segurar a onda, e quando a situação for inversa a gente chega junto, outra, é você se dar bem numa situação só porque o outro dispõe de MAIS recursos, sejam eles quais forem: dinheiro, contatos, meios, relações, enfim!


Mas é impressionante, como estamos tão, tão cheios dessa galera por aí: micro, meios e mega-aproveitadores, golpistas até. Acham que o outro vai no banheiro e descarrega dinheiro, e como eles, ainda não descobriram o capim que dá essa liga, dão uma ruminada na moita alheia pra ver se pelo menos adubam a própria cova. Fico muito impressionada com essa Geração-Cérebro-de-Mosca que fica rondando os outros pra ver se sobra alguma migalha.

Muito bem. Vamos para o lado bonzinho da coisa: por não ter construído uma percepção dos seus valores e potenciais pessoais, o mané-aproveitador não se sente à altura de uma troca justa com aquele que, para ele, está acima dos seus recursos. Sim, os interesseiros também estão na trupe do mal comportamento por baixa-estima.

Sabe aquele pensamento "se eu não posso ser igual a você, então, eu ferro você", é por aí. Essa coisa de se aproveitar do outro tem um conteúdo de vingança implícito: "Você só serve isso mesmo, ser usado". Nome disso? Despeito. Inveja preta. Baixa estima.

Como pode todo mundo querer ter dinheiro e ser bem sucedido 
se acabam punindo quem tem?
E quando você tiver, também merecerá passar por isso?

A galera que se deixa ser aproveitado, ou, que vive emaranhada nessas relações de interesse e só tem amizades e contatos por intermédio do que pode oferecer.... sinceramente, não é uma vida feliz.

Tenho a sensação que é como viver cercado de vampiros, e você sabe, vampiro não presta atenção à qualidade da sua vitima, ele só quer sugar. Mas muitos desses caras também tem uma estima inconsciente onde ser um saco de sangue para os outros é a única forma de se sentir valorizado e percebido. As pessoas que são comumente acharcadas ou se servem de pastelão, obviamente, desconhecem seu valor e acreditam que servindo de capacho aos outros estarão de alguma forma inseridos Mas, uma vez inserido no grupo como um capacho, capacho você será eternamente amigo, até porque o grupo escolhido não tem interesse REAL na sua pessoa, mas sim no que você pode proporcionar para eles. Acabou o benefício "mútuo", acabou a inserção.

Qualquer ato é válido para "fazer parte de".

Tem muuuuuuuuuuuuuuitos grupos de pessoas assim, dos mais diversos tipos, classes, etnias e jeitos. Grupos onde "aproveitador x aproveitado" sobrevivem numa relação simbiótica. Tem até aqueles grupos onde a regra implícita para estar inserido vêm de uma relação de interesse explícita, vá entender?

Mas bom, já as Relações Interessantes, agregam valor pra todo mundo e tendem a expandir, é muito legal viver isso.

Uma boa rede social é cheia de relações interessantes, onde uma pessoa reforça a outra e quando a corda fica bamba para quaisquer uma das partes, a galera dá suporte à quem está na maré baixa. Sim, existem os que têm mais, os que têm menos, mas essa relação não é vista como uma auto-desvalorização de um em relação ao outro, e sim, como níveis a seres alcançados. Serve mais como um incentivo, do que um alvo de inveja. As partes se admiram, administram e estimulam seus potenciais, o sucesso do outro caminha com o meu porque estamos juntos nos construindo ao longo do caminho, sabendo que toda jornada tem seus percalços e é muito mais fácil trilhar junto que sozinho.



A grande diferença entre Relações Interessantes e Relações de Interesse, é que na relação interessante estamos o tempo todo reforçando o caminho do outro, enquanto espelhamos e ajustamos o nosso, já nas relações de interesses as pessoas não só não caminham, como se afundam na própria mediocridade.

Abraço!

Monik Ornellas

Licença Creative Commons

Creative Commons License
Bitola Humana by Monik Ornellas is licensed under a Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil License.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://consciencianarealidade.blogspot.com.

Verborragia em ebook, compre já o seu na Amazon.

Verborragia em ebook, compre já o seu na Amazon.
10 frases do dia-a-dia que influenciam sua vida.

Curta!

Mais lidos

Seguidores

Assine o Bitola por E-mail

- Copyright © Bitola Humana -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -